Parceria entre Prefeitura e IASE ensina compostagem

Patrícia Cavalini

A Prefeitura de Santa Adélia em parceria com a Instituição de Assistência Social Ezequiel (IASE) está apresentando às crianças que frequentam a entidade o que é a compostagem e seus benefícios.

A compostagem permite dar um destino ambientalmente correto para os resíduos orgânicos, evitando sua acumulação em aterros e melhorando a estrutura dos solos. Materiais como restos de frutas, legumes, verduras, grãos e sementes, saquinhos de chá, filtro de papel, borra de café, cascas de ovos, inclusive restos de carne, até então descartados no lixo comum, passam a ser reciclados, gerando o composto orgânico, que ajudará na adubação de hortas orgânicas e jardins.

Aos domingos, a entidade oferece almoço gratuito para cerca de 200 pessoas. Os restos desses alimentos também são usados para a compostagem.

As crianças trabalham na composteira e também utilizam o composto na horta sustentável. Nem todo o composto produzido é utilizado na horta, por isso, o excedente é doado a população interessada.

Entre as vantagens no uso da adubação orgânica, estão a melhoria da fertilidade do solo, por fornecer nutrientes para as plantas, assim como nutrientes e energia para os organismos benéficos do solo; o aumento da infiltração e o armazenamento de água e aeração do solo entre outros.

"Podemos dizer que o “composto” e o “húmus de minhoca”, melhoram os atributos químicos, biológicos e físicos do solo. Quando utilizamos o composto ao invés de estercos temos os seguintes benefícios: maior rendimento devido à utilização de restos vegetais, eliminação de sementeira de plantas invasoras e microorganismos patogênicos devido ao aumento da temperatura no interior da pilha durante o processo de decomposição, além de fornecer para o solo e a planta um adubo mais elaborado, prontamente disponível", destaca a coordenadora do Meio Ambiente, Flávia Banhos Hercolin.

Os resultados são a redução da quantidade de resíduos gerados e seu reaproveitamento como fertilizante natural. De janeiro a setembro deste ano, foram produzidos 60 quilos de composto. Além do programa de compostagem, a entidade envolveu os alunos no desenvolvimento de um minhocário, jardinagem da área verde e horta sustentável, onde o adubo é utilizado.

A ideia é ampliar as ações de modo a envolver mais pessoas da comunidade. “Queremos educar as crianças para que tenham a consciência de que a destinação correta dos resíduos pode ser feita em casa. A melhor maneira de passar o conceito da sustentabilidade adiante é assegurar a sua prática, educando as crianças a respeito. É apenas o início do projeto, que em parceira com a Prefeitura tem a possibilidade de crescer ainda mais e atingir cada vez mais pessoas”, disse o presidente da IASE.